Enredo 2018

A Mocidade Unida da Mooca traz para o Carnaval 2018 a história de três santos que viraram um só Rei:

“A Santíssima trindade de Oyó“

Nos terreiros de batuques, umbanda e candomblé o sincretismo religioso une as crenças de distintos segmentos de manifestações religiosas. Através do canto aos três santos que regem o princípio básico do ser humano e do cristianismo, nasce a junção à crença de Xangô e suas manifestações.

A poesia toma conta dos espíritos cheios de fé e traz para a avenida, transbordando emoção e alegria, a mistura de crenças, provando que o carnaval e a escolas de samba são um espaço justo e democrático para manifestar a cultura brasileira, plural como deve ser.

Nossa procissão ecumênica veio disseminar a igualdade, o respeito às crenças

Ao fechamos nossos olhos toda devoção fica maior que as diferenças.

 

 

Acendemos as velas, ajeitamos o altar, que aceita Santo e orixá. 
O sagrado girou no terreiro. 
No altar do mais puro ouro, barroco, influência europeia, reinavam os encantados do congá. 
O brasileiro que soube misturar. 
Criou:  A Santíssima Trindade de Oyó. 
Só aqui em terras de umbanda e candomblé, três santidades virariam um rei. 
Foram encantados ao som do Alujá. 
Todos de uma só vez, no coração desse imenso país miscigenado. 
E foi o que aconteceu. 
São João Batista, São Jerônimo e São Pedro 
Divinos, andaram todos no mesmo andor. 
 Cada um com sua história, contribuiu para as qualidades do rei soberano. 

 

Santo, santo é 
O cair da água sobre a cabeça 
É cachoeira, São João 
Purifica com o fogo, o Espírito Santo, santo é 
Kaô! 
Na nova vida, a ordem e a lei 
É São Jeronimo, é leão, guardião da palavra 
Kabessilê! 
Os portões estão abertos 
A justiça divina 
São Pedro lava minha alma 
É santo, é pedra, firmamento 
 Xangô! 
Um Rei. 
Santo é, que gira no terreiro 
Santo é, Santo guerreiro 
Rei da vida, da justiça, das almas